O Filósofo

 

Não vai ser fácil escrever isso. Pensar é tranquilo, mas passar os pensamentos de forma escrita é complicado. Ainda mais quando se trata de passar o pensamento alheio pra frente. 

Esse final de semana conheci muita gente. Pessoas, ideias e pensamentos passaram pela minha vida em TÃO pouco tempo.  O que vou levar? Não vou encontrar novamente essas pessoas, mas vou encontrar as ideias delas espalhadas pelo mundo. Dentre todas as pessoas,  a mais interessante eu diria, foi o Filósofo.

Ele, passando férias por aqui, encontrou comigo e uma colega comendo um lanche. Não sei como começou o assunto, mas ele foi até a madrugada. Que sujeito legal! ‘Vamos conversar mais, saímos amanhã?’ Saímos os três.  Logo retomo sobre a aventura.

Antes de isso tudo acontecer, estava a me perguntar o porquê de conversas com pessoas aleatórias geralmente serem tão marcantes? Outro cara, um geografo, me contribuiu muito em palavras e no final com um abraço, dizendo que eu não deveria largar meus sonhos, por coisas menores que eles. Por que ele vai me ajudar mais do que as pessoas que estão sempre ao meu redor? Porque dei tanta importância para as ideias de alguém que eu mal conheço?

O Filósofo trazia em seus belos olhos verdes, a convicção de que os demais pensamentos e ideias dos antigos filósofos eram tão importantes. Mesmo sem ter conhecido qualquer um deles  pessoalmente! Por que raios ele confia tanto nas ideias deles? Por que confiamos tanto nos pensamentos alheios?

Que coisa! Confiei tanto nas coisas que aquele geógrafo me falava… Mas quem é ele? Quem é o Filósofo estranho que me conheceu por dois dias? Quem são todas essas pessoas que passam pela nossa vida?

Confiamos em tantas coisas e a maioria delas não merece a nossa confiança. Sabe, fico pensando que escutar novas ideias e pensamentos (principalmente os contrários aos teus)  acrescentam e muito a na construção individual e coletiva.  Mas não necessariamente são estes, que se devem se tornar paradigmas.

Nem me conheço direito. Achar que conheço os outros de um dia pro outro é muita prepotência. Não que seja bom ser inseguro em relação às pessoas, mas não é confiável confiar em todos. E levar na bagagem as ideias alheias de pessoas que nada mais acrescentaram na sua vida além de palavras, entende?

Andréia Maressa da Silva.
Rio Claro, 09 de julho de 2013.
Para Alessandro. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s