Baratas

Assistindo à um programa no canal Disc. Home & Health pela segunda ou terceira vez, lembrando-me de uma conversa informal com um amigo e dos episódios dessa madrugada; não precisei de mais nada para concluir algumas verdades sobre as baratas.

 O programa ‘Cada coisa em seu lugar’ tem uma apresentadora falastrona, que visita a casa de famílias que enviaram pedidos de ajuda, afim de que suas casas fossem arrumadas. O objetivo do programa é colocar as ‘bagunças’ pra fora e tornar a casa um ambiente confortável e organizado para se morar. Fiquei assustada com a quantidade de objetos empilhados e espalhados nos cantos e meios das casas! Quanta coisa! Quanta coisa!!! As justificativas, eram muito semelhantes nas diferentes famílias, mas não as trarei aqui. O fato é que ninguém usava a maioria das coisas que estava lá!

 Há uns meses fui ao centro da cidade de São Paulo com um amigo comprar algumas tintas. Depois de compradas, passamos na frente duma loja de roupas e calçados, ele comentou o quanto achava legal aquele tipo de roupa e que se tivesse dinheiro as compraria. Comentei também que se eu tivesse dinheiro também compraria várias roupas. Passados alguns segundos, dito a frase, ambos, chegamos ao mesmo tempo  a uma conclusão: já estamos calçados e vestidos… Precisávamos mesmo?

 

Não se trata de comprar. Basta falar a palavra GRÁTIS, que muitos já saem correndo interessados em sei-lá-o-que. Ainda mais se tratando de comida. É bem pouco provável que você NUNCA tenha participado de um evento gratuito, sem a mínima vontade de estar lá, ou mesmo, sem o conhecimento do que está se passando, mas participar, pelo simples fato de ser GRÁTIS.

 Foi o tal de bônus no site do Submarino, que fez meu irmão procurar até cedo da manhã coisas que ‘precisava’ comprar, quer dizer, utilizando o bônus ia sair de graça… Sim, é um ótimo negócio e deve ser aproveitado! Quem disse que não?! Eu não disse. Mas, o que de fato ele precisa? É o que ele deve estar se perguntando enquanto busca no site coisas interessantes para comprar.

 Esta é minha pergunta. Só. Não quero exagerar. Ser rebelde sem causa. Pedindo que parem de comer quando estou com a barriga cheia. Uma gladiadora da sustentabilidade. Comunista. Etc. Só quero saber o que de fato precisamos.

 

Essa madrugada também fui acordada por minha irmã, ela estava caçando uma barata. Levantei da cama pra ver tudo o que estava acontecendo e a malvada, depois de arrastar algumas  de nossas bagunças, tirou a vida da marronzinha… O calor e a dedetização da rua favoreceram o aparecimento dessas asquerosas criaturas. Todavia, mesmo sem esses fatores agravantes, sabemos que elas gostam de se esconder debaixo das nossas papeladas,  das roupas antigas,  das telhas velhas, das comidas estragadas, das caixas de sapato, dos velhos,  das velhas, das velharias… Imaginei essas bichanas na casa daquelas famílias do Disc. Home & Health. Seria o ambiente perfeito para as baratas. Pois, no final, tudo aquilo que compramos e ganhamos e não precisamos mais, ou talvez nunca tivéssemos precisado, vira casa e caso de barata.

por Andréia Maressa em São Bernardo do Campo, 14 de Janeiro de 2011.
EDITADO

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s